quinta-feira, 19 outubro, 2017

EUA lançam cadastro para ‘vítimas’ da Telexfree

Formulário, em inglês, pergunta valor investido e número de pacotes vendidos.
Telexfree é pirâmide e arrecadou US$ 1,2 bi no mundo, dizem autoridades.

A Secretaria de Estado de Massachusetts, nos EUA, criou um cadastro para recolher informações de “vítimas” que investiram na Telexfree, acusada pelas autoridades norte-americanas de promover um esquema de pirâmide financeira.

O formulário, em inglês, está disponível no site da secretaria e pede a identificação do participante, a quantidade investida no negócio, o número de pacotes VoIP vendidos e informações sobre quem os convidou para participar da Telexfree.

Não está claro no site se o cadastro está aberto a brasileiros. O G1 entrou em contato com a secretaria de estado de Massachusetts, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.

Segundo aviso do site, um investigador irá entrar em contato com as vítimas após a revisão do cadastro.

Bens congelados
A Justiça dos Estados Unidos determinou, na semana passada, o congelamento dos bens do grupo Telexfree. O pedido foi feito pela Securities and Exchange Commission (SEC), órgão equivalente à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) brasileira, para evitar a perda de recursos de investidores.

Antes disso, a Secretaria de Estado de Massachusetts divulgou relatório de uma investigação que concluiu que a Telexfree é uma pirâmide financeira que arrecadou cerca de US$ 1,2 bilhão em todo o mundo. Na denúncia, as autoridades norte-americanas pediram o fim das atividades da empresa, a devolução dos lucros e o ressarcimento das perdas causadas aos investidores, chamados de “divulgadores”.

O grupo Telexfree anunciou ter ingressado com um pedido de concordata no Tribunal de Falências do Distrito de Nevada, numa tentativa de reorganizar os negócios da empresa e garantir a continuidade das atividades.

As atividades da empresa no Brasil estão suspensas desde junho de 2013, por determinação da Justiça do Acre, por suspeita de pirâmide financeira. Em fevereiro, a Telexfree teve negado pela segunda vez seu pedido de recuperação judicial no Brasil.